Buscar
  • ENBM

O desenvolvimento da biomedicina no Brasil



O curso de biomedicina é relativamente recente se comparado a outras graduações como Direito ou Medicina. Apesar disso, já possui um grande espaço nas universidades e no mercado de trabalho. No Brasil, já são mais de 250 instituições de ensino superior que oferecem aproximadamente 320 cursos, tendo quase 7500 alunos concluintes no ano de 2016. Com esses relevantes números que impressionam, você sabe como o curso surgiu?


A ideia de criar uma graduação em Biomedicina surgiu em 1950 com o desenvolvimento da genética e da biologia molecular, tendo por objetivo desenvolver a pesquisa e docência nas “cadeiras” básicas da EPM (Escola Paulista de Medicina). A ideia foi então apresentada pelo Prof. Dr. José Leal Prado num Simpósio da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. No ano, a ideia foi abandonada, sendo que apenas em 1966 houve a criação da primeira turma de Ciências biológicas – Modalidade médica na EPM, com apoio dos professores Nylceo de Castro e Antonio Cechelli de Mattos Paiva, assim como na UERJ. Um ano depois, o curso foi instalado em outras instituições tradicionais, como a Unesp (Faculdade de Ciências Médicas e Biológicas de Botucatu) e USP (Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto).


Com o tempo, faculdades particulares também foram incluindo o ensino da biomedicina em seus planos, e o perfil do profissional se modificou um pouco, aderindo não só a parte de pesquisa e docência, mas também análises laboratoriais voltadas para o mercado de trabalho. Tendo isso em vista, havia uma grande dificuldade por parte dos egressos em se inserir nessas funções do mercado, pois outras profissões já estavam consolidadas nessas posições, sendo então necessário a união de diversas faculdades, tais como Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras Barão de Mauá (atual Centro Universitário Barão de Mauá), Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Santo Amaro (atual Universidade de Santo Amaro - UNISA), Universidade de Mogi das Cruzes e Universidade Federal de Pernambuco, para iniciar um diálogo com os órgãos governamentais e à classe política. A regulamentação da profissão do biomédico, assim como a do biólogo, foi conquistada, porém o texto ainda possuía muitas limitações à categoria. Então a discussão foi levada a esfera judicial, no Supremo Tribunal Federal, resultando na criação do Conselho Federal de Biomedicina, na inclusão no Serviço Público Federal e na permissão do profissional biomédico para atuar em análises clínico-laboratoriais.


Segundo o Conselho Regional de Biomedicina da 2ª região (que foi criado em 1983) existem 35 habilitações biomédicas.



Com esta breve noção da história da biomedicina foi possível notar que a construção dessa profissão só foi possível pela dedicação e união de pessoas. Por isso, é de grande importância a união da categoria em luta dos seus direitos.



Referências

Cinquenta anos de história. Unifesp. <http://www.unifesp.br/50-anos-do-curso-biomedico> Acesso em: 01 jun. 2018.

Trajetória do Curso de Biomedicina no Brasil: origem e situação atual 2006. Revista do Biomédico. <http://www.crbm1.gov.br/caderno_especial/caderno2.asp> Acesso em: 01 jun. 2018.

Habilitação. CRBM1. <https://crbm1.gov.br/habilitacao/> Acesso em: 01 jun. 2018.

612 visualizações

ENBM - Encontro Nacional de Biomedicina Todos os direitos reservados

R. Prof. Dr. Antônio Celso Wagner Zanin, Nº 250, Distrito de Rubião Junior, Botucatu - SP. 

CEP 18618-689 

  • Facebook - White Circle
  • Instagram - White Circle
  • Twitter - White Circle